Tranquilidade na cabeça! O alisamento compensa?

Isso não muda nunca: quem quer liso, tem crespo/ondulado…E quem quer ondulado, tem liso! Sem contar o que está operante na moda: ora liso, levemente ondulado, às vezes liso chapado, e outras vezes os cacheados. O fato é que qualquer mudança química que você faça nos seus cabelos, certamente haverá repercussões a curto, médio ou longo prazo – dependo da frequência que você a reaplica. E, para mim, cabelo bonito é cabelo bem cortado, hidratado, enfim, bem cuidado e seja do jeito que for. E é assim que eu cuido dos meus, que atualmente estão numa fase liso pouco ondulado – assim meio indefinido hahaha (nunca apliquei química nele, apesar dos meus cabelos terem vontade própria!). Mas, muita gente procura métodos para alisá-los com a justificativa que é mais prático, que fica com cara de cabelo arrumado e de bem tratado ou quer ficar livre da escova depois das lavagens. Mas nem sempre isso é o melhor caminho a ser tomado.

Por isso resolvi escrever sobre: métodos de alisamento e suas vantagens e riscos de cada uma.

Chapinha: produto indispensável para muitas, tanto quanto um secador. O ideal é passar um produto anti-frizz termoativo antes de usá-lo para proteger os fios do calor. E se os fios forem muito finos ou quebradiços manere na temperatura, é mais prudente. A desvantagem é que dura até a próxima lavagem ou pode não resistir a ambientes úmidos.

Escova: dá um efeito mais natural do que a chapinha. Mas requer mais habilidade de quem está fazendo. As desvantagens são as mesmas da chapinha.

Tioglicolato de amônia: é o princípio ativo encontrado em muitos produtos ditos como “escova progressiva sem formol”. O produto deve ser reaplicado a cada três quatro meses dependendo da velocidade de crescimento dos fios. Não devem ser usados em cabelos em que foi usado outro defrisante como: Hidróxido de Sódio (Soda), Hidróxido de Lítio (Litina) ou Carbonato de Guanidina. Esse alisante também já foi muito usado na época em que era moda a técnica do alisamento japonês, lembram? Essa técnica combinava o alisamento químico com o térmico. A principal desvantagem dessa técnica é que não é possível realizar retoques e fica perceptível a parte alisada do cabelo natural e daí o resultado estético não ficar muito interessante…

Hidróxido de sódio: é o nome químico da conhecida soda cáustica que tem um potencial de alisamento muito forte, mas só pode ser usado por profissionais muito experientes. Isso porque se não for aplicado corretamente o produto pode causar queimaduras no couro cabeludo e até mesmo cegueiras (Aff que horror! Meeeda!) se houver contato com os olhos. O produto abre as cutículas, penetra no córtex e altera a forma dos fios. O Hidróxido de Guanidina é mais suave apesar de atuar de maneira semelhante.

Hidróxido de Cálcio: é o princípio ativo das chamadas escovas orgânicas que de orgânica só tem o nome. Porém por ser mais leve ela funciona melhor naqueles cabelos arrepiados do que nos crespos, atua diminuindo o volume.

Formol (Formaldeído): a escova de formol está proibida no Brasil pelas normas da ANVISA. Sem choro nem vela! Há riscos graves de intoxicações (até morte!) e ao favorecimento de cânceres. Altíssimo potencial alérgico e irritativo. Um produto que se usa para conservar cadáver não dá pra pensar em passar nos nossos cabelos, não é mesmo?

Oxoacetamida de carbocisteína e de ácido glioxílico: a cisteína é um aminoácido que compõe, dá estrutura e resistência aos fios. O intuito é deixar as madeixas com aspecto de liso natural, nada chapado. Porém ainda não tem certificado de segurança da ANVISA apesar de já ser encontrado em alguns alisantes.

O importante é que antes de tomar a decisão de alisar seus fios esteja alerta para alguns cuidados. Procure um profissional experiente. É preciso também tomar cuidado com a tintura porque pode interferir nos cabelos alisados e pode deixá-los quebradiços. Peça sempre para o cabeleireiro abrir a embalagem do produto na sua frente para evitar que usem os chamados  produtos “batizados”. Faça também o teste da mecha para ver como os fios reagem antes de aplicar o produto no cabelo todo. Se você sentir ardor, coceira ou irritação, a aplicação deve ser suspensa imediatamente. Em caso de reações fortes, procure seu médico.

Bjs!

Leave a Reply

Your email address will not be published.