Qual ácido devo usar na minha pele?

Muita gente, nessa época do ano, vem ao consultório querendo usar algum “ácido” na pele. Mas, qual o objetivo e a diferença entre eles?

A pele, a partir dos 30 anos, começa um processo natural de envelhecimento #averdadedoi. Outros fatores como sol, cigarro, má alimentação e stress também favorecem e aceleram o processo de envelhecimento. A principal arma na forma de creme que nós temos são os ácidos, que agem principalmente na renovação celular. O ácido retinóico ou tretinoína, substância mais conhecida e prescrita, continua sendo o queridinho entre os dermatos para iniciar qualquer tratamento de anti-envelhecimento. Porque já foi provado, em inúmeros artigos científicos, sua real eficácia na melhora da textura, viço e clareamento da pele. É nítida essa melhora em cada uma das minhas pacientes que faz uso. Até mesmo no tratamento da acne, ele é utilizado com resultados excelentes. Como não amá-lo? O problema é que muuuita gente não tolera seu uso, apresentando diversos efeitos colaterais na pele, por exemplo: vermelhidão, coceira, descamação e a, longo prazo, aparecimento de pequenos vasinhos no rosto. Por isso é fundamental avaliação médica antes do seu uso, além disso, só é vendido com receita.

Vitanol-A (tretinoína): vendido nas concentrações de 0,01%, 0,025%, 0,05% e 0,1%.

A alternativa seria lançar mão dos derivados do ácido retinóico, que tentam alcançar a mesma eficácia, porém sem os mesmos efeitos colaterais. Eles são o retinaldeído e o retinol vendidos em produtos cosmecêuticos – quer dizer não é nem remédio (não precisa de receita) e nem cosmético (tipo com concentração muito baixinha de ativos).  Os estudos científicos mostram que o resultado na melhora na qualidade da pele se dá geralmente depois de 4 meses de uso se a concentração de retinaldeído ou retinol for a mínima exigida. Pensou que fosse pá pum e a pele tá linda? Então, mesmo nesses casos, é fundamental um acompanhamento médico para ser feito um planejamento de tratamento para que suas expectativas em relação ao uso de tal produto sejam alcançadas. E, sinto lhe informar eles são muuuito mais $$$ que o velho e bom ácido retinóico – tudo tem lado bom e ruim.

Eis alguns dos excelentes exemplos de derivados do ácido retinóico:

Eluage Avène: composto de retinaldeído, fragmentos de ácido hialurônico e água termal avène – atua sobre rugas profundas, tem efeito tensor, hidratante e suavizante. Pode ser encontrado na versão Eluage Concentrado, para ser aplicado diretamente nas rugas.

 

 

 

 

 

 

Retin-Ox Roc: composto de retinol, ácido hialurônico e biopeptídeos. Favorece a renovação celular e estimula a produção de colágeno. Também encontrado na versão para os olhos, que promete luminosidade e suaviza o aspecto das olheiras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Retinol 0.3 Skinceuticals: é composto da mais alta concentração de retinol no mercado permitido pela ANVISA. Confere regeneração celular sem irritar a pele. Textura muito leve.

 

 

 

 

 

 

 

♥ Cellular Power Charge Night La Prairie: é uma combinação de retinol e oxigênio para doar energia reparadora à pele. O retinol ativado, microencapsulado e liberado aos poucos, é absorvido com facilidade sem causar irritação ou ressecamento da pele. Favorece renovação celular e estimula a produção de colágeno e elastina.

 

 

 

 

 

 

 

 

Hidrafil Anti-Aging Facial Stiefel: é um gel-creme podendo ser usado para todos os tipos de pele e que reúne na sua composição retinol e goma biossacarídica-1, que é um hidratante natural. Vem com FPS 24 podendo, então, ser usado de dia.

 

 

 

 

Quem não pode usar ácidos: grávidas, mulheres que estão amamentando, menores de 12 anos ou que apresentam hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Na dúvida sempre procure seu médico dermatologista antes de usar qualquer produto.

BJs!

Leave a Reply

Your email address will not be published.